quinta-feira, janeiro 19, 2012

Hoje

Hoje estou sozinha.Momento raro no meu dia a dia, que é preenchido por tantos seres com vontades e necessidades tão diferentes que me baralham até à exaustão.
Mas estou aqui.Só.Ouço, não o canto dos pássaros, que deveria escrever e ouvir a quem se prese de escrever alguma coisa,mas ouço e percebo a velocidade dos carros que vão passando mesmo a alguns metros da minha varanda.Tenho os janelões escancarados como se de um dia de verão fosse, ou pensando que o é,pois apetece-me respirar,sentir o sol trémulo a entrar trazendo atrás de si a aragem que se tornará frio mais para a tarde.
O dia corre sem sobressaltos.E porque não haveria de ser assim.Claro que para mim é inédito, pois não existe dia, ou noite que por momentos dentro da minha cabeça não sinta uma angústia,um sobressalto por algo que possa estar fora do sítio,do tempo,de alguém.
E os carros passam...para onde irão?Quem levam?Gente anónima que se pode transformar em alguém que nos tornemos conhecidos.Basta o carro parar,basta eu ir à varanda e acenar,sorrir e dizer olá.
Engraçado os gestos que podemos resolver ter numa tarde de solidão apetecida.Era engraçado...mas não!Vou fechar o janelão.Estou a ficar com frio e olho para o lado e vejo um livro que me convida a um momento de leitura.
Vou...

4 comentários:

John Lennon da Silva disse...

Sentimento forte e bem original.
Sabes de que sabes sentir, falta-te somente a concretização literária.

John

vareira disse...

John Lennon da Silva: obrigado pelas palavras.sim, simplesmente palavras que se conjugam em frases soltas sem pretensões a concretização literária.Assim, para mim,todas as palavras de mim surgem não seriam sentimentos...e esses são os melhores.

Live without masks disse...

eu continuo a sentir mas não com a mesma vontade e o mesmo prazer. Um dia tu isto passará.. gosto muito de vocês :)

Live without masks disse...

sorrir*