terça-feira, setembro 04, 2007

Açores - S. Miguel


Depois de uma noite mal dormida,ainda com a adrenalina do voo, acordei numa mistura de ansiosidade e receio!Como será isto?Será que vou gostar?Será que valeu a pena vir?
As questões eram diversas e sempre em dois sentido...era a ilha, e era o estar em pleno com o olho verde!
Saí meia estranha, encolhida no coração...10 dias longe do meu mundo, a entrar num mundo que tinha ouvido falar meses a fio!

E a aventura começou...
A Natureza começou a mostrar-se em cores divinas:o verde dos campos a beijar o negro das praias que se expandia no azul do oceano...Se existe algo divino, criador de tudo e de todas as criaturas...ele esteve em S. Miguel e pintou serenamente o paraíso!
Nunca tinha vista nada igual, de uma beleza protegida por si própria, de arregalar olhares silenciosos, carregados de admiração!
Por entre risos e sorrisos, senti-me flutuar nas brisas vindas do azul e comecei a descontrair, a deixar-me levar pelos sentidos e emoções que devagarinho se entrelaçavam em mim. O meu mundo estava longe, o meu mundo que me agrilhoava a sentimentos perdidos, soltava-se e deixava-me estar viva.
Foi o que aconteceu, ao fim de tanto tempo, senti a vida correr para mim...vale a pena estar viva!
Continuando a jornada (porque o dia estava lindo de morrer...não digam que está sempre chuva em S. Miguel...é mentira!), desci às pequenas piscinas que de todos os lados surgiam, aquecendo a agua salgada.O negro das rochas fez-me viajar até ao meu pequeno milagre e liguei-lhe entusiasmada com o que via:"João, aqui as rochas são todas pretas...é o máximo!"...resposta de 11 anos de filho:"Ó mãe, então não sabes que é rocha de origem vulcânica!".Pressenti um "Dah"...ficamos pelos beijinhos e boas férias e eu entalada na minha ignorância!
E fui andando, percorrendo de lés a lés a ilha verde rodeada de azul...
As Furnas com as suas fumarolas, sinal de vida na terra, e o parque lindo coma a piscina de água castanha e quente...autêntica sopa...só faltavam as couves a boiar...maravilha para a pele!
E o meu olho verde a mostrar-me tudo, o que ele sente que eu gosto e deliro!O coreto de acústica genial...abobadado com a ressonância à capela, onde ouvi o que sinto por ti...também gosto de ti!
O Ilhéu, visto e saboreado lá, é ainda mais bonito do que se vê na televisão, com águas limpas de civilização, onde se convive com peixes enormes, que brincam por entre os nossos pés...
Lá encontramos os colegas de tão longínqua terra...Castelo de Paiva...risota!
A praia da Ribeira Quente, onde o mar aquece com o fervilhar da terra...adorei estar ali, adorei mergulhar nas águas como em tempos idos o fazia...com vontade de ser peixe!
E as Lagoas?Foi emocionante estar tão perto do que vemos em postais e fotografias.São bem mais bonitas do que podemos pensar, pena é que estejam a desaparecer devido a problemas ambientais.
A Lagoa do Fogo!Soberba!Apetece ficar ali...a olhar, a sentir e nunca mais vir embora.
Mas o melhor estava para vir...Caldeira Velha!
O dia estava de morrinha, que nos colava em humidade quente, mas o dia era perfeito!
Água quente, queda de água termal...e eu lá dentro a fundir-me na mãe natureza!
E tantas coisas mais, e tantos sentimentos mais, e tantas emoções mais...
A ilha conquistou-me em pleno, e o Amor deflagrou ainda mais em mim...
Fiquei num estado que nunca pensei poder ficar novamente...desde os meus tempo de adolescente...
ARREBATADA!
Arrebatada com a ilha, arrebatada com as cores, arrebatada com os cheiro(a enxofre!!!) e... arrebatada por ti, olho verde...
Quem não se arrebata, não sente!

2 comentários:

Gandin Tondela disse...

Não sei o que é mais bonito... a ilha ou a forma como a descreves... é fácil... admiro as duas coisas...

rendadebilros disse...

Eu já ando há tempos com vontade de ir com calma até aos Açores ( já lá fui num dia e voltei no outro mas isso é uma experiência para esquecer!) e o teu arrebatamneto pôs-me com as ideias no ar... Parece que te estou a ver... linda e cheia de música na alma...
Beijos. Bonne rentrée!